sexta-feira, 31 de julho de 2009


Artigo.

Humilhados e ofendidos: Susan Boyle e a redenção.



por Marlon Marques.























É notória a sensibilização e comoção causada por Susan Boyle. Susan representa mesmo sem ter vencido o concurso de calouros do programa Britain´s Got Talent, a desforra de milhares de malfeitos, desajeitados, borra-botas e desprovidos de beleza, por eras vivendo nos becos da vida se escondendo do que são. Susan é tudo isso e mais um pouco, e esse mais um pouco é o talento que ela tem para cantar. Pela experiência que nós do Brasil temos com concursos de talentos, sabemos que muitos do que vão a esses concursos são maus cantores, e por essa premissa, muitas vezes julgamos o disco pela capa. Quem de nós “hipócritas” não julgaria Susan no lugar dos jurados do programa? Quem não diria ser ela mais uma bizarra a passar vergonha diante da tv, onde nos lares muitos [ou todos] ririam dela como mais uma atração caricata? Porém, com Susan aprendemos pelo menos duas lições, a de que não devemos julgar antes de conhecer algo – embora continuaremos – e a outra é que só um belo rosto ou belo corpo [ou ambos] não faz um(a) grande cantor(a). No ano passado (2008) aconteceu uma polêmica nos jogos olímpicos da China. A música tema dos jogos era interpretado por uma menina gordinha e chamada de feia, entretanto, a direção do evento resolveu contratar uma menina bonita para dublar a canção na cerimônia. Eticamente falando será isso correto? Não vamos aqui entrar nesses méritos, mas é com certeza um desserviço a boa música, uma vez que o público foi privado de ver a canção ser interpretada ao vivo, em contato com o puro talento. Boyle de certa forma glorifica a menina chinesa, que teve na atuação e na história de Susan sua redenção, como se a injustiça a ela cometida tenha sido se não suprimida, mas pelo menos rechaçada por todos aqueles de bom senso. A voz de Susan deixou boquiabertos o público presente, os jurados, a audiência e o país todo, além de milhares de pessoas mundo afora – principalmente no terceiro mundo. É aquela velha fórmula de se projetar no outro, e Susan compriu essa função, tornou-se naquelas noites, muitos que não ela apenas, representou os desvalidos, os ofendidos, os esquecidos, sua voz foi a voz de todos eles, e não houve quem depois não torcesse por ela. Susan Boyle possui todas as características que em si já são suficientes para desfavorece-la, é mulher, gorda, feia e velha, faltou apenas ser negra e homossexual para completar o espectro de uma maldição nefasta que o ocidente relega a esses há séculos. Somos filhos dos gregos e dos romanos [excetue aqui a questão homossexual], temos que ser perfeitamente platônicos, corpos esbeltos como Adônis, ou rostos lindos como os de Afrodite ou Vênus. A nossa tradição não nos perdoa por sermos assim, feios, desajustados, comuns, temos que parecer, não ser, isso é o que importa. Susan pode ser colocada no mesmo lugar que Jesse Owens quando venceu nas olimpíadas de Berlin em 1936 na presença de Hitler. Como um negro pode triunfar ante os arianos, como Susan, o patinho feio, pode brilhar ante a beleza vã dos jurados, platéia e demais concorrentes? Foi uma ousadia. Foi como Prometeu ao dar aos homens o fogo dos deuses, foi um feito notável. Agora quanto ao talento dela, isso é visível. Não é apenas a identificação com os humilhados, ou as questões éticas, Susan Boyle possui talento nato, é uma cantora e tanto, uma voz potente e acalentadora. E não havia nada mais apropriado para que Susan cantasse do que “I Dreamed a Dream (Eu sonhei um sonho)” do musical Les Misérables. A canção além de linda é um tanto dúbia, pois ao mesmo tempo que traz esperança aos corações aflitos [como o da própria Susan], carrega em si o desfecho final dessa ousadia. “Eu tive um sonho que minha vida seria tão diferente deste inferno que estou vivendo”, um sonho sonhado e vivido, é praticamente o mesmo sonho de Obama, do povo iraquiano, palestino, afegão, haitiano, brasileiro, tibetano, somali, sudanês, americano, um sonho onde o amor e a fé andam juntos e cada um cumpre seu papel. Um sonho fraterno, onde os homens caminham juntos e sentam-se a mesma mesa, mas será isso possível? A mesma canção trata-nos de dizer que não: “agora a vida matou o sonho que sonhei”. Sim Susan você perdeu o concurso. Você sonhou mas acordou com dores, as dores da desesperança. Depois de tudo que passou, de toda humilhação, é como se o sapatinho de cristal no coubesse no pé de Cinderela quando o príncipe foi a sua procura, é como se Andy Dusfrene em "Um Sonho de Liberdade" fosse capturado após fugir da prisão de Shawshank, injustiça. Mas se pensarmos melhor, vencer de fato não é tudo, e Susan não perdeu. Susan venceu. Sua vitória não foi o primeiro lugar, mas foi calar os esnobes e arrogantes, os juízes de plantão, toda moral americana e ocidental que condena os estranhos no ninho. Susan provou que antes de tudo temos que dar a chance, antes de proferir qualquer julgamento, pois a priori ninguém é tudo, mas ninguém é nada também. Boyle fez-nos enxergar [em tese] que a beleza faz parte, mas não é tudo. É apenas uma luxuosa cereja do bolo, o grand finale. Mas em um bolo não basta apenas que cereja seja boa em relação a todo o resto, mas se a cereja não for boa, o que importa, se o bolo for otimamente bom? Ela pode parecer brega com seus vestidos de senhora protestante, tímida, desajustada, mas é como Barack Obama, se parece conosco, quantos presidentes ou políticos globais se parecem com o povo? Essa identificação é que faz de Susan Boyle um fenômeno, pois ela faz com que as pessoas se aceitam mais como são e parem de pensar que a ausência de atributos darling da nossa sociedade os apequena. Porém faça o teste, tente ouvir Britney Spears ou Christina Aguilera de olhos fechados imaginando o que você considera de mais feio e despresível, se mesmo assim você continuar gostando e achar que realmente são cantoras de talento, me calarei e procurarei nos gregos alguma resposta.
























“Tente ouvir Britney Spears ou Christina Aguilera de olhos fechados imaginando o que você considera de mais feio e desprazível, se mesmo assim você continuar gostando e achar que realmente são cantoras de talento, me calarei e procurarei nos gregos alguma resposta”.




















"Mas em um bolo não basta apenas que cereja seja boa em relação a todo o resto, mas se a cereja não for boa, o que importa, se o bolo for otimamente bom?"








.

Um comentário:

  1. Texto maravilhoso... Conteúdo emocionante, assim como Susan ao expressar ao mundo que ela teve um sonho, sonho esse que todos temos... Parabéns por expressar em palavras o sentimento que todos tivemos ao vê-la cantando a canção de sua vida.

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget

Páginas visitadas

Melhores Postagens