quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Como remover o Babylon Search do Firefox

Este e outros complementos fazem alterações nas configurações avançadas do navegador e é preciso restaurar os padrões do browser para se livrar deles.

Por Leandro Borges


Muitos programas gratuitos se oferecem para instalar barras de pesquisa e complementos para o seu navegador durante a sua própria instalação, como uma forma de propaganda para os seus patrocinadores.

Apesar de, na maior parte dos casos, ser possível impedir isso, nem sempre essa opção está clara, e você pode acabar autorizando essa instalação sem querer. Algumas vezes o incômodo é menor e você pode facilmente desinstalar esses complementos do seu navegador, porém existem casos que não são tão simples assim.

A caixa de pesquisa Babylon Search, por exemplo, não é retirada do Firefox nem que o utilizador desative a extensão e faz com que uma página do Babylon seja aberta quando algo é pesquisado diretamente pela barra de endereços. Para desativar isso de uma vez por todas, existem duas maneiras rápidas e simples, que você confere neste tutorial.
Restaurando as preferências

Selecione a opção de reiniciar o navegador com as extensões desativadas.

Primeiramente, exclua todas as extensões que você deseja remover do navegador. Depois, feche as abas que você estiver usando e salve os endereços que você não quiser perder, já que esse método exige que você reinicie o navegador. Agora, vá até ao menu do Firefox e, na aba “Ajuda”, clique em “Reiniciar com extensões desativadas”, como mostra a figura acima.

Isso não vai desativar permanentemente as extensões instaladas, portando é preciso ter apagado aquelas que você não deseja mais. Esse comando vai reiniciar o Firefox com uma janela do modo de segurança, e a opção desejada para que tudo volte ao normal é “Restaurar todas as preferências para o padrão do Firefox”. Marque essa caixa de seleção e reinicie novamente o browser.

 
Restaure todos os padrões do Firefox. Pelas configurações avançadas

Isso também pode ser feito pelas configurações avançadas do navegador, mas deve ser feito com muito mais cuidado do que a opção acima. Isto por que, ao acessar esse conjunto de personalizações, você sai da zona de controle do browser e pode mexer em opções que tem o potencial de desconfigurar totalmente o seu Firefox. A vantagem é que não é preciso voltar tudo para o padrão do Firefox, apenas o serviço de pesquisas.

Com isso em mente, digite about:config na barra de endereços do seu navegador. Um aviso é mostrado pedindo para que você tenha muito cuidado ao mexer nessas configurações, e você precisa prometer isso para o navegador clicando em “Serei cuidadoso, prometo!”.
Prometa ser cuidadoso com essas configurações — e realmente seja!

O próximo passo é encontrar, usando a caixa de busca “Localizar” na parte superior desta tela, a entrada browser.search.defaultenginename e clicar com o botão direito sobre ela. No menu de contexto, selecione a opção “Restaurar o padrão”.

A primeira parte está completa. Agora, falta restaurar o serviço de buscas para a barra de endereço. No mesmo campo de buscas, procure a entrada keyword.URL e, da mesma forma que a anterior, restaure o seu padrão. Se você estiver usando uma versão anterior ao Firefox 4.0, também é preciso fazer essa operação com a entrada browser.search.defaulturl.

 
Restaure o padrão do Firefox para os serviços de busca.

Pronto! Agora é só fechar essa janela e fazer alguma busca usando a caixa de URL do seu Firefox para comprovar que o padrão foi restaurado e você não vai mais ver a página do Babylon ou de outro serviço intruso ao tentar realizar uma pesquisa de maneira mais rápida no seu navegador.

Como remover o Hao123 do Google Chrome e Mozilla Firefox!!!

Por Leandro Borges

O Hao123 é uma espécie de malware conhecido como browser hijacker (sequestro de navegador, em uma tradução literal). Muitos usuários não sabem como remover o Hao123, mas há uma forma simples e eficaz de fazer isso. O vírus se caracteriza por alterar configurações de navegadores como o Chrome e o Firefox sem que o usuário saiba ou possa reverter as mudanças.

Neste caso, o software se propaga através de outros downloads grátis e – uma vez instalado – adiciona a barra de ferramentas Hao123 e muda a página inicial do navegador para hao123.com. Esta parte do comportamento do malware é considerada legítima e há muitos outros programas que fazem ações semelhantes. O problema é que o Hao123 modifica atalhos aleatórios do menu Iniciar e da Área de trabalho, além de mostrar links e publicidade nos resultados de pesquisa e coletar os termos de busca sem permissão.

Quando o programa que instalou o malware é removido, o Hao123 continua instalado, o que significa ele deve ser removido manualmente. Neste tutorial, vamos mostrar como remover o Hao123 do Google Chrome e Mozilla Firefox.

Para começar, vamos remover o cliente do Hao123:

Passo 1. Abra o Painel de Controle através do menu Iniciar;
Acessando o Painel de Controle (Foto: Reprodução/Edivaldo Brito)


Passo 2. Na nova janela, selecione a opção "Programas";
































Passo 3. Localize o cliente do Hao123, clique com o botão direito e selecione desinstalar para removê-lo do sistema. Repare que, às vezes, o malware se instala com nomes diferentes, então procure por qualquer programa desenvolvido pela “Baidu Online Network Technology”.


Agora é preciso restaurar as configurações alteradas pelo malware.
No Firefox
Passo 1. Para remover o programa do Firefox, clique no botão laranja para ter acesso às opções, abra o menu Ajuda e selecione “Dados para suporte”;



Passo 2. Na nova aba que se abrir, basta clicar no botão “Reiniciar Firefox” para remover as informações maliciosas. O navegador deve fechar e reiniciar neste momento.Reiniciando o Firefox (Foto: Reprodução/Edivaldo Brito)



No Chrome!!!


Passo 1. Abra o menu do navegador, clique em "Ferramentas" e, em seguida, em "Extensões";Localizando o Halo123 no Chrome (Foto: Reprodução/Edivaldo Brito)



Passo 2. Localize a extensão do Hao123 e clique no ícone da lixeira. O malware pode se instalar com nomes diferentes também, então é recomendável procurar e remover qualquer extensão suspeita ou indesejada da lista;




Passo 3. Abra o menu do Chrome e clique em “Opções”. Na seção "Pesquisa", clique em "Gerenciar mecanismos de pesquisa...";

 Passo 4. Localize, no menu superior, seu mecanismo de busca padrão (normalmente é o Google) e clique no botão “Tornar padrão”;


Passo 5. Passe o mouse em cima do link do Hao123 e clique no "X" para removê-lo.


Passo 6. Ainda no menu de opções, localize a seção “Iniciar” e clique em “Abrir nova aba”.



Passo 1. Localize o atalho na Área de Trabalho ou no menu Iniciar. Clique com o botão direito e selecione Propriedades;


Passo 2. Clique na barra Abas e localize a opção Alvo. Remova o link para o Hao123 que se encontra no final do texto, cuidando para não alterar o link para o programa que vem antes.


Passo 1. Clique em Iniciar e digite regedit para abrir o Editor de Registros;





Passo 2. Use CTRL+F para abrir a janela de busca e digite “Hao123″. Delete os registros encontrados.


Pronto! Agora você já sabe como remover o Hao123 completamente da sua máquina.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Opinião: Fim do MegaUpload comprova que PIPA e SOPA são desnecessárias???

Por  Leandro Borges


A legislação americana e cooperação internacional com a Nova Zelândia permitiram o encerramento do site. Para que, então, normas ainda mais rígidas?
A semana passada foi dominada pela batalha entre os que defendem o direito à propriedade intelectual e os que priorizam a liberdade da Internet. Um dia após o “apagão” organizado online em protesto à SOPA – lei que visa combater a pirataria online – o governo dos Estados Unidos derrubou o site de compartilhamento MegaUpload, provando que os novos projetos não são tão necessários assim.
De um lado do debate, congressistas americanos favoráveis a normas mais rígidas para reduzir a pirataria na rede – e, por isso, defensores do da SOPA e da PIPA. Insistem que a violação de direitos autorais é como uma epidemia, e que a única forma de controlá-la é a partir de uma legislação draconiana.
A maioria dos internautas discorda. Começaram com um boicote ao GoDaddy.com – serviço de hospedagem – que decidiu apoiar os projetos. Em poucos dias, a atenção em relação ao assunto aumentou, assim como a oposição. Cientistas responsáveis pela tecnologia sobre a qual a Internet está estruturada elaboraram comunicado, em que pediam ao Congresso que recusasse as propostas. A pressão popular e política tomou tal dimensão que os legisladores não tiveram outra opção a não ser adiar a votação.
A pergunta, porém continuou no ar. Por que precisamos de uma nova legislação?
A premissa dos que a defendem é que ela é necessária para combater o conteúdo distribuído ilegalmente a partir de sites que operam fora dos Estados Unidos, e, portanto, resguardados das leis norte-americanas. O MegaUpload era citado como um exemplo.
Ironicamente, a queda do portal serviu mais aos críticos da SOPA do que aos seus apoiadores. Afinal, mesmo sem ela – e vale lembrar que, possivelmente, mesmo com sua aprovação, o site conseguiria manter-se protegido – o governo dos EUA conseguiu fechar uma página sem sequer processá-la, e providenciar a detenção de seus responsáveis graças à cooperação internacional com a Nova Zelândia.
O caso do Departamento de Justiça contra o MegaUpload é baseado na legislação  ProIP, aprovada em 2008. Ela também enfrentou controvérsia, e possibilitou a criação de um cargo conhecido como “Czar do Copyright” – vinculado ao executivo, a pessoa nomeada pode atuar sem contatar o judiciário. Na época, muitos especialistas consideraram as leis autoritárias e desnecessárias, mas ouviram do governo que não haveria abuso.
As discussões quanto à atuação do Departamento de Justiça contra o site de compartilhamento, se ela é justificada ou um abuso do ProIP, só está começando. De qualquer forma, a ação não é inútil: serve para reforçar o quanto a SOPA e a PIPA são desnecessárias.









domingo, 24 de julho de 2011

O crepúsculo dos Deuses.

por Marlon Marques.

























O que é o limite da vida? Acredito que o limite seja aquele ponto em que a nossa vida chega e que temos apenas a opção de parar tudo que estamos fazendo e da forma como estamos fazendo pois o próximo passo pode custar à própria vida. Entretanto podemos morrer mesmo vivos, ou como os budistas [principalmente a escola tântrica]estamos morrendo um pouco a cada dia. Porém qual o objetivo da vida de um artista? Sucesso, fama, dinheiro, reconhecimento, luxo, extravagância ou um misto de tudo isso e mais um pouco? O rock nos oferece em abundância exemplos de artistas que vivem e viveram no limite de tudo, muitos deles pagaram com as próprias vidas, enquanto outros amargam o fundo de um posso que eles mesmos cavaram. Cartola já cantou que “o mundo é um moinho”, um grande triturador de ilusões e sonhos, que é tão implacável quanto o tempo, que devora as coisas e lega a obra [se é que podemos chamar assim em muitos casos] de muitos artistas ao mero esquecimento. Sid Vicious e Kurt Cobain são exemplos de vidas extremas, nas drogas e no sucesso repentino o primeiro tornou-se símbolo de um movimento [punk] e o segundo de uma geração [os anos 90], ambos, assim como Che Guevara, hoje estampam camisetas de milhares de jovens mundo a fora. O líder do Nirvana tornou-se o grande porta voz da geração sem rumo dos anos 90, cantou o desespero do fin de siécle disse o que todos queriam dizer, aos pais, aos amigos, ao mundo suas emoções eram a de qualquer adolescente, em Seatle, em Nova Iorque, em Nova Déli, no Afeganistão, em todos lugares, estavam cheios de um vazio existencial, e o tiro que ceifou a vida de Kurt, tirou também um pedaço da vida de cada jovem. Sid Vicious não, não serviu de arauto para os anos 70 (haviam outros), mas abusou de tudo por nós, nos levou ao limite [mesmo que falsamente] da desesperança no futuro, nos fez enxergar a porção de lixo que há em cada um de nós, mas foi vencido pelas drogas (overdose no banheiro de sua mãe). “É tão estranho, os bons morrem jovens, assim parece ser[…]”, cantou Renato Russo, como uma profecia mortal, que acometeu Janis Joplin, Jimmy Hendrix e Jim Morrison (o próprio Russo – embora por outros motivos), porém no caso de Vicious e Kurt, trata-se de falibilidade dos ídolos, ou seja, expõe assim a faceta mais humana dessas personas [isso mesmo, pessoas], pois nós as elevamos como seres sobrenaturais, verdadeiros deuses e super-heróis. Será que Kurt Cobain achou que o tirou que transpassou o seu cérebro não o mataria, só aliviaria sua dor? E Viciuos, será que achou que a overdose só atingia os fãs dos Pilstols, mas a ele não? Muitas vezes canalizamos nesses ídolos tudo aquilo que queremos ser, vemos no outro a beleza que não vemos em nós, sofremos com a dor deles, rimos com seus sorrisos e nos realizamos com sua glória, mas eles se machucam também, são deuses de barro, quebram como nós e são finitos. Michael Jackson também é um caso extremo, de rei do pop à bobo de sua própria corte, teve tudo nas mãos, o sucesso, o mundo, a fama, o dinheiro, mas não soube lidar com isso, estragou sua carreira e jogou no ralo todo o prestígio que tinha por caprichos não humanos. Sua majestade brilhou mais do que o ouro de sua coroa, conclusão, tornou-se prisioneiro de sua própria vida, e como num espelho invertido, deseja hoje mais o ex-fãs [ou ainda fãs] do que os fãs o desejam.
























Jackson não morreu (o texto é de 2009) como Kurt e Vicious, mas está morto em vida, e é o que está acontecendo com Amy Winehouse. Amy tem talento sim, assim como Michael Jackson, é auto-destrutiva como Sid Vicious, e infeliz como Kurt Cobain, ou seja, ela possui características semelhantes as desses ícones da música pop do século XX, e parece escolher o mesmo caminho que todos, a destruição. Amy Winehouse parece não acreditar na finitude de sua vida, acredita que conseguirá preservar aquilo que ainda a sustenta, seu talento vocal veja Jackson por exemplo, hoje não consegue repetir o vigor de outrora, até nomes como Caetano Veloso (e Chico Buarque, João Gilberto, entre outros) declinam na qualidade com o passar do tempo (mesmo a qualidade deles ainda sendo superior a da maioria)isso indica que Amy pode sofrer também desse mesmo mal. Milton Nascimento já cantava belamente que “todo artista deve ir onde o povo está”, Amy Winehouse parece fazer o contrário, foge dos fãs e ainda os agride, o que é muito perigoso, principalmente por que Amy passará pela prova do terceiro disco (não deu tempo), e caso esse não repita o sucesso dos anteriores, o jogo pode começar a mudar para ela. Estou querendo dizer que o artista muitas vezes [e principalmente quando não gerencia sua carreira de forma correta], torna-se refém de seu próprio sucesso, e caso o mesmo não chegue, Amy poderá afundar-se ainda mais nas drogas além da normal perda de poder criativo que chega com o tempo. Talento é parte da capacidade que temos de agradar por longo tempo, agora genialidade é entrar para história, como Mozart e Beethoven (Bach e outros), que jamais morrerão, guardadas as devidas proporções, Kurt, Janis Joplin, Jim Morrison, Hendrix, Lennon, Elvis, Vicious, também não serão esquecidos, pois se neles faltou à genialidade, talento não faltou, para que suas obras se mantivessem vivas até hoje e seus rostos gravados em camisetas em todo mundo, agora te pergunto, será que em 100 anos ainda falaremos de Amy Winehouse ou veremos seu rosto estampado em camisas por todo mundo?




























































*Artigo originalmente publicado em iosbilario.blogspot.com em 6.03.2009.

Link da postagem original: http://iosbilario.blogspot.com/2009/03/ensaio.html






quarta-feira, 20 de julho de 2011

Apenas um

Escrevi esse poema em 2003 e hoje resolvi posta-lo em homenagem ao dia do amigo...

Apenas um

Estando longe
Sinto falta do que me fortalece
Estando perto, tudo posso e tudo acontece

Quando estou sozinho, o passado me traz alegrias e tristezas
Quando estou com eles, encaro meu presente com destreza

Com sua alegria, é inefável o prazer de estar vivo
Com sua tristeza, percebo que não somos apenas amigos

Com seu apoio, descobri como é poder ser eu mesmo
Quando não os conhecia, em meu mundo eu vivia preso

Minha vida, com você agora faz sentido
Pois em seu berço, aprendi a me sentir querido
Os "meus" mais chegados, de você fazem parte
Sou parte de você, e você é minha metade

Em outros tempos, me sentia sozinho
Sentia falta de algo, um espaço vazio
Vivia em constante busca, não sabia onde encontrar
Vivia a ilusão de achar algo, sem saber o que procurar

A vida é tão engraçado, foi você quem me encontrou
E no seio da tua verdade, a solidão desmoronou

Não quis saber dos meus defeitos, perdoou meus erros absurdos
Repensei a minha vida, pra que evoluíssimos juntos

Minha vida, com você agora faz sentido
Pois em seu berço, aprendi a me sentir querido
Quando te encontrei, foi como nascer de novo
Aprendi a cair, e a levantar com o meu próprio esforço...


Obrigado, meus queridos amigos!
Ocorreu um erro neste gadget

Páginas visitadas

Melhores Postagens