quarta-feira, 11 de março de 2009

Artigo.

Superação?

por Marlon Marques e Dusty O´Connor.




















O dia 08 de março de 2009 entrará para os anais da história do campeonato paulista, pois foi o dia em que Ronaldo Nazário marcou seu primeiro gol com a camisa alvi-negra. Porém esse não foi apenas mais um gol, foi o gol da superação, da superação da contusão e principalmente da desconfiança que pairava [ou paira] sobre o jogador. Retornar não é o difícil, o difícil é manter um nível aceitável de qualidade e um mínimo de condições de jogo, pois o nome entra em campo, mas não marca gol. Muito embora o gol marcado no Derby contra o Palmeiras tenha um grande significado, não podemos tomá-lo de forma isolada e a partir daí alavancar-mos uma afirmação de que o craque voltou, o fenômeno está de volta e tudo o que ele fez no passado com certeza o fará, paremos por aí. Talvez ele faça, talvez não, é necessário ainda uma sequência de jogos, para que Ronaldo possa se condicionar melhor, perder mais peso [e abdômen], ganhar mais mobilidade, e tudo isso só se consegue com treino e jogo, porém metabólicamente ele não é mais o mesmo [suponho eu], a medida que envelhecemos, perdemos muitas características que tinhamos quando jovens, e o futebol atual exige muito mais força e velocidade, do que técnica e cadência. Fazendo apenas uma projeção, se o Ademir Da Guia jogasse hoje, teria de se adaptar, teria talvez que ser mais rápido, teria que ajudar na marcação do meio campo, é como se a teoria de Darwin da seleção natural das espécies se aplicasse ao futebol, ou você se adapta ou fica para trás. Agora não há o que se discutir quanto ao faro de gol de Ronaldo, sua qualidade nas finalizações, e ainda com a contribuição dos zagueiros adversários, ele faz mesmo, é seu ofício, assim como o de Sérginho Chulapa, Dadá Maravilha, Túlio, Romário, Alex Mineiro, Kléber Pereira, Keirrison, entre outros, são jogadores que teêm intimidade com o gol, conhecem seus atalhos, mas é nítido que o Romário do milésimo gol já não era mais aquele do tetra, e o persistente Túlio do Itumbiara, já não é mais aquele do título do Botafogo em 95, agora por que o Ronaldo será o mesmo de sete anos atrás da copa de 2002? Acredito que ele marcará gols com a camisa do Corinthians, mas não irá repetir o mesmo sucesso de antes, porém a imprensa insiste em crer que ele voltou, ou melhor, voltar ele voltou, porém é o tempo e as partidas que vão dizer sobre a relevância dessa volta. O que a imprensa e a torcida de massa confunde, é o fato de torcer pela sua recuperação [isso é humanidade] e de esperar muita coisa dele, as vezes sobra vontade e capacidade [que ele tem] e falta condições, além do que nem todos irão ve-lo passear em campo e caminhar livremente até o gol, haverá marcação, pancadas, empurrões, cartões vermelhos, carrinhos, isso é o futebol, o Ronaldo não pode estar acima disso. O Corinthians terá muitos jogos pela frente, e será através desse jogos que poderemos ver o que ele de fato ainda pode render, é como uma projeção, teremos que avalia-lo em diversos quesitos para aí sim podermos dizer algo mais próximo da realidade.


“É necessário ainda uma sequência de jogos, para que Ronaldo possa se condicionar melhor, perder mais peso [e abdômen], ganhar mais mobilidade, e tudo isso só se consegue com treino e jogo, porém metabólicamente ele não é mais o mesmo [suponho eu], a medida que envelhecemos, perdemos muitas características que tinhamos quando jovens, e o futebol atual exige muito mais força e velocidade, do que técnica e cadência.”


Porém de qualquer forma é um fato louvável a volta de um grande jogador, depois de ter passado tudo o que passou, de ter se envolvido em diversos escândalos, ter se descuidado fumando, bebendo, comendo e saindo em demasia, para de fato voltar [o jogo do Itumbiara foi um prelúdio] num clássico do tamanho de um Corinthians e Palmeiras, e perdendo por um a zero, aos 47 minutos empatar um jogo quase perdido, é um feito e tanto, é digno de aplauso, pois um Derby não é um jogo qualquer, é o clássico de maior rivalidade no estado de São Paulo. O escanteio batido pelo apagado Douglas [que se redimiu por não ter passado a bola no jogo contra o Itumbiara à Ronaldo] fez uma curva incrível paralisando toda a zaga do Palmeiras, os zagueiros pareciam juvenis sem saber o que fazer, o goleiro Bruno foi tomado pela incerteza, saiu do gol, não interceptou a bola e no momento em que a bola caiu na altura da cabeça de Ronaldo, Bruno estava a caminho da trave direita, mas a bola foi mais rápida. O gol de Ronaldo se assemelha muito com o gol de Ricardinho na semi-final do paulista de 2001 contra o Santos, era o jogador certo, no lugar certo, na hora certa, veja, talvez se no lugar do Ronaldo estivesse o Souza, a história poderia ter sido outra, e se no lugar do Ricardinho estivesse o Gilmar Fubá ou o Márcio Costa, talvez o gol não tivesse saído. Ronaldo tem a sorte e a competência dos grandes jogadores, é fato que conseguiu voltar, como ele mesmo disse, seu objetivo já cumpriu, voltou, agora nos resta saber se Ronaldo estará mais para o Júnior, que aos 38 anos comandou o Flamengo na conquista do campeonato brasileiro de 1992, ou Romário que aos 39 anos [mesmo sem condições de atuar] foi artilheiro do campeonato brasileiro com 22 gols, ou para Maradona que aos 37 anos voltou melancólicamente a vestir a camisa do Boca Juniors, foi uma passagem desastrosa, foram 31 jogos em dois anos, gordo, fora de forma, sem mobilidade, ainda craque, com muita inteligência, visão de jogo e qualidade, mas sem as mesma condições, não dava mais, porém provou ao mundo que voltou, assim como Ronaldo, pois não basta voltar, é necessário ser útil ao clube, participar dos jogos e ajudar o clube a conquistar títulos. Romário aos 34 anos foi campeão brasileiro pelo Vasco e artilheiro do torneio com 20 gols, ou seja, ajudou o seu clube a conquistar o título, não estou comparando um ou outro, são estilos e técnicas diferentes, só estou comparando as situações, um era a idade [Romário] e o outro a idade, peso e contusões [Ronaldo], então é por conta disso que acho cedo para dizer-mos que o Ronaldo voltará a exibir o mesmo futebol que o consagrou. Bom, então para celebrar a superação, segue o post do álbum “A Momentary Lapse Of Reason” do Pink Floyd, uma verdadeira história de superação, porém não plena, mas de superação. Esse álbum é o primeiro sem Roger Waters, que ao sair da banda anunciou que o Pink Floyd sem ele não conseguiria sobreviver, e após uma extensa batalha judicial pelo uso do nome, Gilmour ganhou e junto com Nick Manson e Richard Wright, lançou esse bom álbum em 1987, que chegou ao terceiro lugar em vendas no Reino Unido. O álbum mostra a força e a vitalidade da banda mesmo sem um de seus líderes e principais compositores, emplacou pelo menos dois singles, principalmente “Learning To Fly”, é um disco bem executado, com uma sonoridade própria, e realmente sem o toque de Waters, o Pink Floyd mostrou ao mundo que podia voltar, e mesmo fazendo bonito, não conseguiu recuperar a forma da época de “Dark Side Of The Moon”, “Wish You Were Here” e “The Wall”, porém se Ronaldo conseguir o mesmo feito do Pink Floyd, já será muita coisa, é o mínimo que esperamos para o final de uma história de alegrias, tristezas, gols e solos de guitarra.


“Não basta voltar, é necessário ser útil ao clube, participar dos jogos e ajudar o clube a conquistar títulos.”


“O Romário do milésimo gol já não era mais aquele do tetra, e o persistente Túlio do Itumbiara, já não é mais aquele do título do Botafogo em 95, agora por que o Ronaldo será o mesmo de sete anos atrás da copa de 2002?”

























download.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget

Páginas visitadas

Melhores Postagens