segunda-feira, 30 de março de 2009

Radiohead - In Rainbows

Por Leandro Borges.



















É sempre um acontecimento, a edição de um álbum dos Radiohead. E é-lhes sempre exigido que se superem, que façam mais e melhor do que aquilo que deixaram para trás. Depois de criarem duas obras-primas intituladas The Bends e OK Computer , das experimentações de Kid A e de Amnesiac e das mensagens prementes e politizadas de Hail to the Thief , os Radiohead conseguem passar com distinção novamente. Não será este um registo excelente, mas a verdade é que está bem longe de ser o desastre que muitos vaticinaram. In Rainbows é um bom álbum de uma banda que habituou o público a produzir muito acima da média.
Sétimo álbum de originais dos Radiohead e o primeiro que editam sem o selo de uma editora. A liberdade levou-os a apresentar uma colecção de canções com vida própria, que podiam perfeitamente viver independentes umas das outras. In Rainbows é também o primeiro registo da banda depois de Thom Yorke editar The Eraser , a sua estreia a solo. Podendo ou não ser uma reacção à linha mais electrónica do registo de Yorke (e dos últimos discos da banda), In Rainbows deixa os instrumentos respirar: há guitarras fortes em «Bodysnatchers», bateria suave em «Nude», cordas sublimes em «Faust Arp» e guitarras ondulantes em «Reckoner». A melancólica voz de Yorke também respira melhor, passeia-se por ambientes menos claustrofóbicos, cresce e transfigura-se em cada música. «15 Step» abre o disco em euforia contagiante – é provavelmente a peça que mais dificilmente encaixa em In Rainbows , sem que isto seja um aspecto negativo – mas o álbum atinge o ponto mais alto com os belíssimos, apaixonados e etéreos «All I Need», «House of Cards» e «Videotape», o inquietante tema de encerramento. Quando defendido como um todo, o álbum não encherá as medidas dos mais exigentes, mas cada canção é uma surpresa pronta a ser desembrulhada. E é assim que faz sentido. Correcção: In Rainbows não é um bom álbum, é antes uma belíssima colecção de canções. Continuam a ter talento abundante, continuam a saber o que querem e a mostrar-se bem focados. Continuando assim, os Radiohead vão permanecer uma das melhores bandas deste século, como foram do anterior.

Leandro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget

Páginas visitadas

Melhores Postagens